Polícia Federal deflagra operação contra quadrilha que enviava drogas para a Europa - SAJ PUBLICIDADE

DESTAQUES

domingo, 15 de março de 2020

Polícia Federal deflagra operação contra quadrilha que enviava drogas para a Europa


A Polícia Federal deflagrou uma operação para desarticular uma quadrilha especializada no tráfico internacional de drogas, na manhã deste sábado. Batizada de Operação Olossá, a ação tem o objetivo de desarticular o grupo cujo modus operandi principal consistia na utilização de “mulas” para transporte de cocaína para a Europa, através de viagens aéreas, escondida nas bagagens.

Cinco mandados de prisão preventiva estão sendo cumpridos nas cidades de Salvador e Ipiaú, na Bahia, além de Ananindeua, no Pará, além de quatro mandados de busca e apreensão. Todos foram expedidos pela 17ª Vara Federal da Seção Judiciária de Salvador.
Segundo a PF, as investigações tiveram início em maio do ano passado, por meio de informações recebidas pelo serviço de Disque Denúncia da Secretária de Segurança Pública da Bahia. Desde então, os agentes identificaram que o chefe da quadrilha é o dono de uma barraca de praia em Lauro de Freitas. 
Ele usaria o estabelecimento para aliciar pessoas – as chamadas “mulas” – para levar a droga. Ainda de acordo com a PF, o suspeito também era o responsável por providenciar os passaportes, as passagens e ainda fornecia os euros para custear as despesas da viagem.
Desde o começo das investigações, foram presas 10 pessoas tentando embarcar com cocaína em aeroportos da Bahia, Pernambuco, Ceará, São Paulo e Paraná. Outras três pessoas foram presas acusadas de serem responsáveis pela entrega das malas já prontas, com a droga escondida, para as “mulas”. No total, foram apreendidos mais de 25 Kg de cocaína.
Por cada viagem, a organização criminosa faturava até meio milhão de reais. Já a pessoa que transportava recebia em torno de R$ 20.000,00 no caso de êxito no transporte da droga.
Um dos fatos que chamou atenção foi que grande parte das pessoas aliciadas fornecia o mesmo endereço à Polícia Federal no momento de solicitar e confeccionar o passaporte. O nome da operação foi baseado nisso –o endereço falso era na Ladeira do Olossá, no bairro de Itapuã, em Salvador.
Os investigados irão responder pelos crimes de organização criminosa, tráfico de drogas e falsidade ideológica, cujas penas, somadas, podem ultrapassar os 28 anos de reclusão. Correio

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe a sua opinião!