Ministério da Saúde confirma 3º caso de coronavírus no Brasil - SAJ PUBLICIDADE

DESTAQUES

quinta-feira, 5 de março de 2020

Ministério da Saúde confirma 3º caso de coronavírus no Brasil


O Ministério da Saúde confirmou nesta quarta-feira (4) o terceiro caso do novo coronavírus no Brasil. Todos os três são de São Paulo. O paciente é um homem de 46 anos nascido na Colômbia, mas que vive em São Paulo. Nas últimas semanas, ele esteve na Espanha, Itália, Áustria e Alemanha, e voltou no dia 29. Nesta quarta, foi atendido no hospital Albert Einstein e teve o caso confirmado em exames. Agora ele está em isolamento domiciliar. O exame inicial foi confirmado em testes de contraprova no Adolfo Lutz. 

Um possível quarto caso, registrado em São Paulo e com primeiro exame positivo, ainda está em investigação. A paciente, de 13 anos, foi atendida no hospital Beneficência Portuguesa. Antes, esteve em Milão e depois na região de Dolomitas, na Itália, onde ficou internada em um hospital por causa de uma lesão no joelho. 

Segundo o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, a paciente não teve sintomas até o momento. Ainda assim, esteve no hospital na segunda-feira (2), onde fez um teste para o coronavírus, cujas amostras foram enviadas ao Fleury e deram positivo. O exame aguarda resultado de contraprova. 
Atualmente, não há recomendação para que casos sem sintomas sejam testados. "Por precaução, por conta desse histórico, ela fez um teste e deu positivo. É um ponto fora da curva", disse o ministro, que aguarda detalhes do caso. "O sistema jamais detectaria."

Questionado, o ministro diz que, se confirmado, o caso não deve mudar as orientações da pasta. "Não vamos fazer exame de todo mundo para, numa loteria esportiva, saber se alguém teve o vírus", disse. O mesmo vale para aeroportos. "Não vamos testar todas as pessoas que vieram de um voo internacional, mesmo que seja uma pandemia. É totalmente ineficaz."

Ele recomenda, no entanto, que pessoas que cheguem de países onde há transmissão adotem medidas de cautela, o que não significa indicar o isolamento domiciliar. "Não estamos falando em determinar isolamento para assintomáticos pelo simples fato de terem viajado para fora do país. Mas estamos dizendo que aquelas pessoas que tenham sinais e sintomas se coloquem em isolamento e procurem uma unidade de saúde para que possam receber orientações e que possamos monitorar os contactantes", disse.
O ministro também voltou a recomendar que pessoas só viajem a áreas de transmissão se houver necessidade. "Casos de comércio, de negócios, se puder fazer por videoconferência, melhor." 

De acordo com Mandetta, a secretaria de saúde já começou a monitorar possíveis contatos do paciente que teve o caso confirmado. O número não foi informado. Os dois primeiros pacientes que tiveram a confirmação da doença covid-19 também estão em isolamento domiciliar. Mandetta disse ainda que o fato de todos os casos confirmados até o momento serem da rede privada já era esperado. “São turistas de alto poder aquisitivo”, disse.

Balanço do ministério divulgado nesta quarta aponta que subiu para 530 o número de casos possíveis do novo coronavírus monitorados no país. Na terça-feira, eram 488 casos em investigação.
Os dois primeiros pacientes que tiveram a confirmação da doença covid-19 também estão em isolamento domiciliar. 

Entre os casos, 135 são em São Paulo, 98 no Rio Grande do Sul e 82 em Minas Gerais, estados com maior volume de registros. Os demais estão distribuídos em 20 estados. Nesta semana, o Ministério da Saúde decidiu incluir os Estados Unidos e outros 12 países na lista daqueles que devem ser observados pela rede de saúde para definir casos de suspeita de infecção pelo novo coronavírus.

Até então, eram considerados apenas os pacientes com febre e outros sintomas respiratórios —como tosse e dificuldade para respirar— e histórico de viagens a 16 países onde havia mais de cinco casos de transmissão local. O intervalo para esse histórico é de até 14 dias antes do início dos sintomas.
Com isso, o total de países monitorados chega a 31. A mudança ocorre após análise de que há transmissão local do vírus em algumas regiões dos Estados Unidos, como a Califórnia, além de países da Europa, como Reino Unido e Noruega.

Segundo Mandetta, apesar do aumento de casos no Brasil, todos ainda são importados, o que indica que não há ainda uma transmissão local no país. Ele voltou a cobrar, porém, que a Organização Mundial de Saúde reconheça a situação como pandemia, uma vez que já há registro de transmissão em diferentes países. "Já não é mais falar se teremos um critério pandêmico, mas quando", disse. "Isso não quer dizer que o Brasil não vai fazer mais a vigilância que está fazendo."

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe a sua opinião!